sábado, 25 de julho de 2009

The Carpenters



Putz! Eu estava querendo, já há algum tempo, postar sobre os irmãos Richard e Karen Carpenters. Essa dupla musical estourou nos anos 70 e com seu estilo melódico levou à parada de sucessos muitas canções no Top 40 da música americana, tornando-se representante do Soft Rock e se incluindo entre os artistas mais representativos da década. Entrementes, no meio da década de 70, o excesso de turnês e as longas sessões de gravação começaram a cobrar caro da dupla o esforço e contribuíram para as dificuldades profissionais enfrentadas no final dessa década. Karen fazia dietas obsessivamente e desenvolveu anorexia nervosa, a qual se manifestou pela primeira vez em 1975, quando uma exausta e enfraquecida Karen foi forçada a cancelar apresentações no Reino Unido e no Japão. Richard, enquanto isso, desenvolveu dependência de soníferos, o que começou a afetar seu desempenho no final dos anos 70 e levaram ao fim das apresentações ao vivo da dupla em 1978 e à sua internação em uma clínica. No início de 1979, Karen, não desejando permanecer parada enquanto seu irmão se recuperava na clínica, decidiu gravar e lançar um álbum solo. Seu disco (Karen Carpenter) tinha um estilo mais adulto e disco, em um esforço para mudar sua imagem. O resultado do projeto teve uma recepção morna de Richard e os executivos da A&M Records e no início de 1980 Karen primeiramente hesitou, abandonando por fim seu disco solo, que seria lançado apenas em 1996, 16 anos depois, 13 após sua morte. Karen preferiu lançar outro disco com Richard (já recuperado da dependência de soníferos), que se transformou no álbum Made in America, lançado em 1981. Os problemas pessoais, entretanto, diminuíram as possibilidades de um retorno às paradas e Karen teve um casamento que não deu certo com Thomas Burris. A separação ocorreu um ano depois. Em 1982, Karen foi a Nova York procurar tratamento com o psicoterapeuta Steven Levenkrom para suas desordens alimentares decorrentes da anorexia nervosa, voltando naquele mesmo ano disposta a refazer sua carreira. Ela rapidamente ganhou 5 quilos em uma semana, o que aumentou os danos a seu coração, resultado de anos de dieta e abusos (especialmente - conforme se diz - com o uso do Xarope de Ipecac, um forte emético - para induzir vômito). Em 04 de fevereiro de 1983, Karen sofreu uma parada cardíaca na casa de seus pais em Downey e teve sua morte declarada no Hospital Memorial de Downey, aos 32 anos. Karen, vestida de rosa, foi posta em um caixão aberto. Hoje, Richard Carpenter vive com sua esposa, Mary Rudolf-Carpenter e suas quatro filhas, na Califórnia e o casal se tornou grande fomentador da produção artística na cidade em que residem. Richard é também colecionador de carros antigos que são ganhadores de concursos. É muito triste saber que a dupla The Carpenters terminou dessa forma, mas, enfim... A sua obra e o seu talento ficaram registrados em 11 discos, e vira e mexe alguém regrava os super hits da dupla. Eu comprei, no início deste ano, a coletânea The Best of Carpenters, lançada em 2008, e ouvindo este CD eu posso curtir a VIBE deles. Eu gosto de todas as 14 canções deste disco, mas a minha favorita é a terceira: Rainy Days and Mondays. Inclusive, eu postei, ai embaixo, um vídeo onde a própria Karen aparece cantando, dá uma conferida que é emocionante demais. Quanto à coletânea, eu recomendo. Vale muito à pena dar uma escutada. Abraços!


video

Rainy Days And Mondays - The Carpenters


Talking to myself and feeling old
Sometimes I'd like to quit
Nothing ever seems to fit
Hangin' around, nothing to do but frown
Rainy days and Mondays always get me down
What I've got they used to call the blues
Nothing is really wrong
Feeling like I don't belong
Walking around some kind of lonely clown
Rainy days and Mondays always get me down
Funny but it seems I always wind up here with you
It's nice to know somebody loves me
Funny but it seems that it's the only thing to do
To run and find the one who loves me
What I feel is come and gone before
No need to talk it out
We know what it's all about
Hanging around, nothing to do but frown
Rainy days and Mondays always get me down
Funny but it seems that it's the only thing to do
Run and find the one who loves me
Hangin around, nothing do to but frown
Rainy days and Mondays always get me down.

Nenhum comentário:

Postar um comentário