domingo, 31 de janeiro de 2010

"Meu querido, meu velho, meu amigo"



Hoje é o aniversário do meu pai. Dessa grande figura, que mais parece uma cometa e que só aparece uma vez a cada 300 anos. Nós moramos na mesma cidade, mas parece que vivemos em continentes diferentes. Meu pai, carinhosamente conhecido como "Meste Maguina" é o típico bicho do mato, que não aparece nunca, não vai para lugar nenhum, que não sejam a igreja ou trabalho. Fiquei realmente surpreso quando ele apareceu na pizzaria no dia da comemoração da minha graduação, que não me contive e pedi que todos aplaudissem de pé o meu pai, por eu ter conseguido a sua magnífica presença. Eu aprendi muito com meus pais, durante todo o tempo que passei convivendo com eles, mas o meu pai, em especial, me ensinou o verdadeiro valor da honestidade, de se poder andar de cabeça erguida, sem nada dever a ninguém. É claro que quando crescemos, a gente começa a ver que os nossos pais não são aquele poço de perfeição que idealizávamos. Quando atingimos a maturidade começamos a enxergar também os seus defeitos e passamos a reconhecer que eles são humanos e, assim como nós, estão suscetíveis a cometerem falhas. Mas o fato de ter pais tão maravilhosos, apesar de humanos, e de ter convivido tanto tempo na companhia deles fez de mim a pessoa que sou hoje. Eu só tenho que agradecer a Deus pelo presente que ele me deu, quando me permitiu nascer nesta família e pedir que ele continue abençoando-os cada vez mais, para que eles continuem, vivos e saudáveis, capazes de curtir a terceira idade juntos e felizes. Muito Obrigado Meu pai por tudo! Pelas vezes que o Senhor me defendia para que a minha mãe não me pegasse. Pelo amor e carinho que o Senhor sempre teve por nós, mas que, por conta de uma educação machista e retrógrada que recebeu, sempre teve dificuldade em explicitar. Pelos discos e canções inesquecíveis do Rei Roberto, que o senhor costumava ouvir nos dias de domingo à tarde, após o almoço, e que até hoje ainda estão em mim. Pelo excesso de zelo por nossa família, que muitas vezes fizeram o Senhor abdicar dos seus sonhos para tornar possível o nosso. Eu sou muito Feliz e me sinto muito Honrado por ter o seu sangue correndo em minhas veias. Eu consegui apreender o seu melhor. Eu te amo muito "meu querido, meu velho, meu amigo". Em homenagem a tanto que o Senhor já fez por mim eu lhe dedico esse post e canção abaixo, do Rei, um de seus mais belos e imortais poemas.


video


Meu querido, meu velho, meu amigo
(Roberto e Erasmo)


Esses seus cabelos brancos, bonitos, esse olhar cansado, profundo
Me dizendo coisas, um grito, me ensinando tanto, do mundo...
E esses passos lentos, de agora, caminhando sempre comigo,
Já correram tanto, na vida,
Meu querido, meu velho, meu amigo
Sua vida cheia de histórias, e essas rugas marcadas pelo tempo,
Lembranças de antigas vitórias ou lágrimas choradas ao vento...
Sua voz macia me acalma e me diz muito mais do que eu digo
Me calando fundo na alma
Meu querido, meu velho, meu amigo
Seu passado vive presente, nas experiências contidas,
Nesse coração consciente, da beleza das coisas da vida.
Seu sorriso franco me anima seu conselho certo me ensina,
Beijo suas mãos e lhe digo
Meu querido, meu velho, meu amigo
Eu já lhe falei de tudo,
Mas tudo isso é pouco
Diante do que sinto...
Olhando seus cabelos tão bonitos,
Beijo suas mãos e digo
Meu querido, meu velho, meu amigo.




Nenhum comentário:

Postar um comentário